sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Pedras


Pedras

Enquanto soprava seus cabelos,
o oceano cantou uma canção
em meus ouvidos...
Tudo é possível, no impossível deste mar infinito,
Sou eu envolvido nos olhos que me enfeitiçaram!
deitado na pedra por mim passaram...
Luar que me carrega, devolva minha luz,
Mar que transborda,faça minha voz chegar até meu amor...
Esse mar, que impassível sem pressa,
Lambe as pedras onde nos amamos,
E banha o suor e o leite...
Nessa manhã suave e quente de verão,
retornamos...
Orquestra sobre ondas, gaivotas sobrevoam,
este mar que ruge pela proa...
vento vem nos acordar,
com esse ar quente que voa pelo ar,
emite sons de violinos em Berlim...
sussurrando contos eróticos
no jardim da poesia,
nos leva por essas ondas de magia...
Nesse amor crepuscular, amor diferente,
Amor ardente, dilacerado no seu calar...
Só o som pode tocar...
Nas águas desse mar de amor,
Na pedra que você deixou...

Paulo Alvarenga e Adriana Leal

4 comentários:

  1. Obrigada e bem vindo meu lindo Poeta.
    Adoro seus escritos e tú também!!
    Beijos mil e Feliz Semana!!

    ResponderExcluir
  2. A Lua as vezes tem formato de virgula para mostrar-nos que nem no infinito a Amizade o Amor e o Carinho terão um ponto final.

    Leticia


    Feliz semana e beijos meus! M@ria


    OBS:Hoje sou a convidada e homenageada pelos "Amigos do Farol"
    http://nuestramizade.blogspot.com/

    Visitem-nos aqui......e obrigada!!

    ResponderExcluir
  3. "Dai-me Senhor:
    a perseverança das ondas do mar,
    que fazem de cada recuo um ponto
    de partida para um novo avanço."

    (Cecília Meireles)


    Belo amanhecer e beijos meus! M@ria

    ResponderExcluir
  4. simplismente m a r a v i l h o s o, magnifico , embalado por essa musica gostosa se torna mmuito melhor te ler...parabens menino Pulo tens a poesia não só n'alma e sim na ponta dos dedos...

    ResponderExcluir